A crise de 1383 – 1385 e os seus efeitos.

O desenvolvimento da prosa cavaleiresca e didática.

A Historiografia.

Fernão Lopes

 

 

1.    A crise de 1383 – 1385 e os seus efeitos

 

                 Dom Fernando tem três guerras com Castilha porque quer ser rei destes territórios, ademais reclama a Galiza por considerar que tinha a mesma identidade que Portugal. Foi prometido de Leonor de Aragão e de Leonor de Castilha, mas acabará casando com Leonor de Teles, mulher muito ambiciosa mal vista pelo povo. Leonor de Teles casará à sua filha Beatriz quando tinha oito anos com o rei Dom Juan I de Castilha para assegurar a sucessão da sua filha e a sua própria regência. Ademais é ela quem faz cavaleiro a Nuno Álvares Pereira, que será um dos protagonistas da Revolução de Setembro de 1383.

 

                   Dom Fernando morre em 1383 deixando como herdeira do trono a Dona Beatriz, casada pouco antes com o rei de Castilha, mas mentes não tivesse um filho com 14 anos Leonor Teles seria a regente. Então há uma divisão entre os que apoiam a:

1)      a regência de Leonor Teles: a nobreza e o rei de Castilha.

2)      o infante Dom João (Mestre da Ordem Militar de Avis), filho de Pedro I e Inês de Castro (filho bastardo): a burguesia.

 

                   Desde então e até a coroação definitiva de Dom João I acontecem diferentes factos:

ø Em Lisboa produz-se uma rebelião em favor de Dom João e apoiada pelos burgueses. As notícias desta rebelião vão chegar alentar às cidades e vilas que acatavam a autoridade de Leonor Teles.

ø O rei de Castilha, a petição da regente, envia tropas a Portugal para parar os partidários de Dom João, mas sofre diferentes derrotas:

n  Em Maio de 1384 tem de voltar a Castilha por causa duma peste.

n  É derrotado no Alentejo por Nuno Álvares Pereira.

ø Em Abril de 1385 reúnem-se as Cortes em Coimbra e aclama-se a Dom João como rei. Nestas Cortes decide-se formar um conselho do rei que tenha dois representantes de cada um dos grupos sociais: clero, nobreza, letrados e cidadãos.

ø O rei de Castilha volta invadir Portugal apoiado pela nobreza portuguesa, mas é derrotado na Batalha de Aljubarrota (14 de Agosto de 1385), destacando de novo a acção de Nuno Álvares. Desde este momento a independência de Portugal e o reconhecimento do rei Dom João I são factos irrefutáveis.

 

 

                   Para além disto, nesta altura começa também a expansão marítima.

 

*GENEALOGIA DOS REIS DE PORTUGAL (Dinastia de Borgonha)

 

 

1.    Fernão Lopes (± 138? – 1459/60): a sua época e a sua obra

 

1.1.  Vida

 

                   Temos muito poucos dados da sua vida. Sabemos que foi tabelião (escrivão) e que procedia duma família humilde. Sabemos também que desde 1418 foi guardador do Arquivo da Torre do Tombo e escrivão particular dos infantes Dom Fernando e Dom Duarte, quem lhe mandou escrever uma História de Portugal em 1434. Conheceu também a personagens como João I ou Nuno Álvares, ligados à Revolução de Setembro de 1383.

 

1.2.  Obra

 

                   Conservamos trêspartes” da sua História de Portugal:

1)      Crónica de el-rei Dom Pedro (a mais breve).

2)      Crónica de el-rei Dom Fernando.

3)      Crónica de el-rei Dom João I (a mais extensa e perfeita). Gomes Eanes de Zuara fechará a saga de Dom João I com a Crónica da tomada de Ceuta.

 

                   É possível que escrevesse a crónica de todos os reis de Portugal desde Afonso I, que foi o que lhe encarregaram, como mínimo as de Sancho II, Afonso III e Afonso IV, hoje perdidas.  Há teorias que dizem que Rui de Pina as teria redifundido e assinado com o seu nome.

 

2.    As fontes e a concepção da História em Fernão Lopes

 

A)     O método de Fernão Lopes baseia-se na imparcialidade e na procura da verdade. Assim, contrasta as fontes e quando não está seguro da certeza dum facto aporta as diferentes versões. Ademais tampouco descreve os acontecimentos influído pela pessoa para a que trabalha. Mas não sempre consegue ser imparcial, já que por exemplo na descrição da Batalha de Aljubarrota deixa-se levar pelo patriotismo. Com tudo, Fernão Lopes supõe o passo da crónica à História, adiantando-se vários séculos à historiografia moderna.

B)     Tem uma visão de conjunto da História (ver António José Saraiva).

C)     O povo é o grande protagonista da sua obra, um povo visto positivamente, opondo-se à nobreza, do mesmo modo que Nuno Álvares é o símbolo da revolução ideal e Dom João da revolução imperfeita (ver José Hermano Saraiva e Meria Ema Tarracha). Com tudo, também lamenta as vinganças exageradas do povo. As possíveis razões dadas para esta visão positiva do povo são:

n   Origem plebeia, é a mais citada.

n   Buscar a valorização dos acontecimentos passados que tornaram possível a nova dinastia, apoiada na vontade popular.

n   Buscar a simpatia do povo.

 

3.    A visão da realidade e a matéria literária nas Crónicas de Fernão Lopes

 

A)     Mistura a realidade, a história real, com a recriação literária da história. Com isto consegue compreender os factos políticos e sociais e hierarquiza-os atendendo a critérios acertados.

B)     O protagonista da sua obra é o povo português dos século XIV e XV:

n  Recolhe os aspectos contraditórios da história e mesmo do rei que lhe paga (intrigas de palácio).

n  Leva-o a considerar aspectos como a economia e a quebra da moeda, dos que só temos os dados aportados por ele.

n  Descreve o comportamento da massa da cidade (representa a Lisboa como uma dama assediada pelos castelhanos).

n  Aparecem cidadãos que falam em nome de todos.

n  A mudança de dinastia foi uma revolução popular.

n  Faz uma descrição diferente das guerras[1] dando-lhes grandeza quando o povo luta pela liberdade (Nuno Álvares Pereira) e criticando-as quando são um simples pretextos para que o rei ganhe títulos.

 

                   O método que usa Fernão Lopes é um método inovador, que não será usado de novo pela historiografia até o século XIX.

 

 

“Do alvoroço que foi na cidade cuidando que matavam o Mestre, e como ala foi Álvaro Pais e muitas gentes com ele” (capítulo 11)

Traços gerais

-          Verbos de movimento.

-          Discurso directo.

-          Personagens:

      Individuais (Mestre, simbólico; Álvaro Pais, agente activo).

      Colectivo: povo

-          Visualização cinematográfica.

 

 

4.    Aproximação estilística à obra de Fernão Lopes

 

A)     É quem de construir uma narração com o estilo[2] duma novela ou um filme, como se fosse um escritor, já que usa recursos literários:

n  Diálogos

n  Flash-back

n  Planos múltiplos...

B)     Começa a domesticar o português, influído por:

n  Novelas de cavalaria.

n  Prosificação dos cantares de gesta.

n  Sermões religiosos.

n  Contos populares.

C)     Provoca muito interesse em escritores posteriores, já que descreve muito bem esta época. Mesmo conhecemos da sua mão a psicologia do rei (a quem descreve como duvidoso e violento) e de Leonor Teles (a quem descreve como forte e decidida na Crónica de el-rei Dom Fernando e na Crónica de el-rei Dom João)

 

5.    O sentido epopeico e aspectos relevantes na Crónica de el-rei Dom João I

 

                   A obra começa com o assassinato de João Fernandes de Andeiro, amante galego da rainha Leonor Teles (da que se diz que foi metida num convento). Isto é o que leva ao Mestre de Avís ao poder, cuja importância não será sempre positiva, já que o protagonista é Nuno Álvares Pereira. Divide-se em duas partes:

1)     Primeira parte: há dois centros narrativos:

n   O cerco de Lisboa e a peste como vencedora perante os castelhanos.

n   O capítulo 182, no que as Cortes de Coimbra investem a Nuno Álvares Pereira Condestável.

2)     Segunda parte:

n   Panegírico do rei, prólogo no que se descrevem as suas qualidades (católico, fiel à mulher...).

n   30 capítulos dedicados à Batalha de Aljubarrota e a a aliança anglo-portuguesa entre Dom João e do Duque de Lancáster (casamento entre Dom João e Filipa de Lancáster).

 

6.    Os continuadores de Fernão Lopes

 

6.1.  Gomes Eanes de Zurara

 

                   É o substituto de Fernão Lopes como guardador da Torre do Tombo, mas também é o continuador da sua obra.

a)       Obras:

n  Crónica da Tomada de Ceuta ou Terceira parte da crónica de D. João I.

n  Crónica do descobrimento e da conquista da Guiné.

n  Feitos do Infante D. Henrique.

b)       Características que do diferençam de Fernão Lopes:

n  Baseia-se nos testemunhos orais sem questiona-los, de jeito que a sua obra tem uma dimensão retórica que se afasta da dimensão científica da de Fernão Lopes.

n  Tem uma visão elitista e reduzida que faz que elabore uma história das classes altas (faz crónicas de linhagens), não do povo português. É dizer, loa aos poderosos (em especial a D. Henrique), facto que lhe dá fama e prestígio. Assim, o seu objectivo era justificar a expansão portuguesa (africana).

n  Estilo: a prosa de Zurara e mais erudita, domina a expressão escrita sobre a oral. Assim, foi considerado um estilo primoroso por uns, e um estilo “insufrível” por outros.

               

6.2.  Rui de Pina

 

a)        Obra: escreveu as crónicas de D. João II, de D. Duarte e de Afonso V. E possível que também escrevesse a de D. Sancho I e a de Afonso IV.

b)       Características da sua obra:

n  Diz-se que plagiou ou actualizou as obras de Fernão Lopes.

n  Estilo superior ao de Zurara.

c)        Opiniões dos estudiosos:

n  Alguns consideram-no o melhor cronista medieval depois de Fernão Lopes.

n  Outros consideram que a sua qualidade não é tal, senão que é resultado do plágio de Fernão Lopes.

 


 

[1] Faz referência às guerras Irmandinhas.

[2] O estilo é o modo no que o autor utiliza os recursos disponíveis na língua.

 

in Introdução à Literatura Portuguesa, USC, 2006/2007 < http://apuntamentos.iespana.es/introlitpt/04.doc >

 

LUSOFONIA - PLATAFORMA DE APOIO AO ESTUDO A LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO. Projeto concebido por José Carreiro, 2007-2015
1.ª edição: http://lusofonia.com.sapo.pt/literatura_portuguesa/historiografia.htm
2.ª edição: http://lusofonia.x10.mx/literatura_portuguesa/historiografia.htm, 2016.

 

lusofonia plataforma de apoio ao estudo da língua portuguesa no mundo

 José Carreiro
 aguiarcarreiro@gmail.com