VINICIUS DE MORAIS (BRASIL)

 MARIO DE CESARINY DE VASCONCELOS

Herberto Helder (PORTUGAL)

 

LITERATURA PORTUGUESA

 

LITERATURA AÇORIANA

 

LITERATURA MADEIRENSE

 

LITERATURA POPULAR

 

LITERATURA BRASILEIRA

 

LITERATURAS AFRICANAS

 

LITERATURA ANGOLANA

 

LITERATURA MOÇAMBICANA

 

LITERATURA GUINEENSE

 

LITERATURA CABO-VERDIANA

 

LITERATURA SANTOMENSE

 

LITERATURA TIMORENSE

 

LITERATURA MACAENSE

 

DIÁSPORA

 

Literaturas de Língua Portuguesa

Programa 12.º Ano
Curso Científico-Humanístico de Línguas e Literaturas

Escola Secundária Domingos Rebelo
Ano letivo 2007/08

 
José Carreiro

 

 

Literaturas, Autores, Textos

 

LITERATURA BRASILEIRA

Manifestações literárias no período colonial:

·   As primeiras visões do Brasil: textos histórico-literários dos viajantes, colonos e missionários.

 O Romantismo e a busca de nacionalização da literatura:
          A exaltação do índio e da paisagem brasileira;
          O individualismo e a introdução do quotidiano;
          A poesia social e abolicionista.

– Maturidade e originalidade da literatura novecentista brasileira:

·   A revolução modernista: pluralidade de experiências poéticas.
Carlos Drummond de Andrade: poeta do finito e da matéria.
Vinícius de Moraes: o cantor do amor maior.

·   O romance brasileiro depois de 1930:
Jorge Amado – retrato da diversidade económica e cultural; a sátira dos costumes provincianos.
Guimarães Rosa – o descobridor do sertão universal; o inovador da ficção.

 

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

Carlos Drummond de Andrade, Antologia Poética, Lisboa, Dom Quixote, 2001

Criação; eu poético marginal, desintegrado; evasão, inconformismo e angústia existencial; tempo-prisão e vida-morte; figura do amor-salvação/Pátria-Brasil

Vinícius de Morais, Antologia Poética, Lisboa, Dom Quixote, 2001

Consciência: homem-templo/criação mão-pão-tijolo e obra; silêncio e submissão; palavra/poder e acção; Deus-piedade; Pátria-exílio; Mulher-garça e aurora

Jorge Amado, Os Velhos Marinheiros, Mem-Martins, Europa-América, 1989

Heroísmo e anticonvenção; alcunha-marca-miséria; álcool-alegria-libertação; companheirismo popular; humor; exaltação da liberdade: o sonho e a fantasia

João Guimarães Rosa, “O Burrinho Pedrês” in Sagarana, Rio de Janeiro, Nova Fronteira/Dinalivro, 1984

Universo sertanejo/universo da escrita; ruralismo e acção: fazendeiro/vaqueiro, gado/arraial; fantástico, crenças; recriação da linguagem/código nordestino

 

LITERATURAS AFRICANAS E TIMORENSE

A literatura oral (oratura): características e funcionalidade culturais.

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

Literatura Oral, Tadeu, Viriato Augusto, Contos do Caramô, Lendas e Fábulas Mandingas da Guiné, Lisboa, A.G.C., 1945

Situação inicial eufórica/o facto estranho da gazela/a decisão, a errância, o contrato, a palavra-acção de herói fundador/a palavra profética do pai. Tempo de paz/guerra, vitória e morte; muçulmanos/cristãos

Literatura Oral/Anón. Contos tradicionais santomenses, S. Tomé, Dir. Nac. da Cultura de S. Tomé/Caminho, 1984

Força do gigante/perspicácia; mulher/marido/ciúme e inveja; lealdade e falsidade de amigos; espaços de alegria e respeito; simbolismos; o galo-liberdade, a tartaruga-esperteza, homem-traição/cão-fidelidade

Lit. Oral/ Anón.,"O crocodilo que se fez Timor" e "Hahuk" in Artur Marcos, Timor Timorense, Lisboa, Colibri, 1995

Conto e mito fundador; o espaço-pântano, agentes e figurantes: o crocodilo ancestral, a criança-pureza, a solidariedade, sonho e promessa, aventura da vida

 

A literatura colonial: fronteiras e diferenças em relação às literaturas africanas.

Literaturas africanas escritas em língua portuguesa:

·          O papel da imprensa e do ensino para o seu surgimento;

·       Literaturas africanas de língua portuguesa – um fenómeno do urbanismo

·          Precursores das literaturas africanas;

·          Movimentos político-culturais do princípio do século XX e sua importância para o desenvolvimento destas literaturas (nacionalismos e identidade);

·          Convergências temáticas e modernidade na poesia;

·          Inovação de processos narrativos e tendências actuais da ficção africana de língua portuguesa.

 

 LITERATURAS AFRICANAS DE IMPLANTAÇÃO CONTINENTAL: 

LITERATURA ANGOLANA 

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

Alda Lara, Poemas, Porto, Vertente, 1984

Tempo ansioso, lugares de afecto, enfeitiçamento e amor pátrio, solidariedade, fraternidade, esperança, generosidade, evangelismo, inconformismo, destino de mulher, revolta e idealidade, desejo, terra-África

Luandino Vieira, "Vavó Xíxi e seu neto Zeca Santos", in Luuanda, Lisboa, Edições 70, s.d.

O musseque/a mistura cultural; personagens e tipos humanos; o conflito banal e a lição fabular: "o seu a seu dono/pede e receberás"; a repressão colonial

Pepetela, A Montanha da Água Lilás, Lisboa, Dom Quixote, 2000

Discurso/figura/conotação: alegoria; povo africano, Angola; tradições orais/actualidade escrita: o papel social/cultural do poeta, esperanças e desencantos

 

LITERATURA MOÇAMBICANA 

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

José Craveirinha, Obra Poética, Lisboa, Caminho, 1999

Colonialismo/nacionalismo/cultura indígena; ritmo e expressão criativa/linguagem da veemência; amor sensual; esperança, canto do negro/denúncia política

Eduardo White, Janela para Oriente, Lisboa, Caminho, 1999

 

Fronteira entre prosa poética/poesia em prosa; ritmo e movimento/recorrência/mutação/transposição; lógica e analogias da escrita/fala, de palavras/ideias

Mia Couto, Mar me Quer, Lisboa, Caminho, 2000

Recriação/transfiguração/conotação do real; verdade sobrenatural, empatia-afecto; seres populares/casos humanos; crónica da vida, guerra, caos, amor, ordem

 

LITERATURA GUINEENSE 

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

Hélder Proença, Não posso adiar a palavra, Lisboa, Sá da Costa, 1982

Poesia-pátria-flor, chuva-esperança, mulher sensual, voz e canto/colectivo e luta, exortação-incitamento, horizonte- vitória, solidariedade, amor, vida, pátria

 

LITERATURAS INSULARES AFRICANAS E TIMORENSE 

LITERATURA CABOVERDIANA 

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

Jorge Barbosa, Obra Poética, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2002

Espaços reais/humanos: arquipélago, ambiente, ilha e eu-ilhéu/paisagem/seres/vida; eu-aqui-insular/tu-algures-mundo-evasão; ética, poética da consciência

Baltasar Lopes, Chiquinho, Linda-a-Velha, Editora África, 1984

 

Ethos (modo de ser) crioulo; imaginário terra/mar insular/oceano; percursos iniciáticos entre o sensual, o intelectual e o viril; referencialidade e simbolismos humanos

Germano Almeida, O Testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo, Lisboa, Caminho, 1991

Figuração da cidade; vida mindelense; socialização do ser/parecer; ficção realista; escrita humorística; a narrativa de uma vida/crónica de um tempo havido

 

LITERATURA SANTOMENSE 

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

Francisco José Tenreiro, Obra Poética, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda

Mestiço, identidade/diferença: ambivalência crioula eu-branco/eu-negro; humor e ironia complacente; consciência ideológica, luta, orgulho de Mãe-África

  

LITERATURA TIMORENSE 

Bibliografia Activa

Tópicos, Temas, Palavras-Chave

Xanana Gusmão, Mar Meu, Porto, Granito, 2000

Guerra e perda/recuperação; pátria e destino, ânsia e tempo de espera; contradição: ansiedade e crença, mar-céu-liberdade, futuro e redenção, razão, justiça

 

 

Bibliografia Passiva

1. Textos

Biblos: Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa, 5 vols., Lisboa, Verbo, 1995-2005

Dicionário de autores de literaturas africanas de língua portuguesa, Aldónio Gomes, Lisboa, Caminho, 1997

Dicionário de Literatura, 5 Vols., Dir. Jacinto do Prado Coelho, Porto, Figueirinhas, 1978

História Concisa da Literatura Brasileira, Alfredo Bosi, São Paulo, Editora Cultrix, 1995 (distribuidora: Dinalivro)

História da Literatura Brasileira, 3 Vols., Dir. Sílvio Castro, Lisboa, Alfa, 1999.

Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa (vol. nº 64), Pires Laranjeira, Universidade Aberta, 1995

Pequeno Dicionário de Literatura Brasileira, Dir. José Paulo Paes & Massaud Moisés, São Paulo, Cultrix, s/d

 

2. Sítios da Internet 

Endereços

Descrição

http://lusofonia.x10.mx

Lusofonia – Plataforma de apoio ao estudo da língua portuguesa no mundo

 http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Secundario/Documentos/Programas/literat_lingua_portug_12.pdf

Programa de Literaturas de Língua Portuguesa 12º Ano (homologado em 8/7/2002)

  

 

Modos de leitura

 

a INTERPRETAÇÃO que guarda ainda a fidelidade à palavra do texto, com a finalidade de o explicar por mediação metalinguística;

 – o COMENTÁRIO que é já um exercício mais autónomo. Em oposição entos de compreensão e interpretação, ambas fiéis reprodutoras da palavra textual, o comentário solicita uma reacção pessoal, em forma de opiniões, apreciações, generalizações e ideias do leitor destinatário sobre o texto;

  a DISSERTAÇÃO entendida como forma de conhecimento participativo, como expressão livre de reflexão pessoal. Não ficando presa ao conteúdo literário, ela permite a abertura ao exercício da pura subjectividade do aluno-leitor que, assim, pode tomar o conteúdo do texto por pretexto para um jogo de ilações generalizantes;

  a ANÁLISE que exprime a atitude metodológica oposta à dissertação dirige-se ao próprio corpo do texto para descrever a sua "anatomia", a sua organização como sistema em equilíbrio (ou não). Se se admitir a legitimidade da metáfora anatómica, pode-se dizer que a análise encara o texto pelo ângulo da sua gramática e das áreas complementares, convocando para as teorias e apetrechos metodológicos que melhor respeitem a realidade e a "vontade" do texto (o desrespeito pela vontade do texto leva à dissertação, não à análise). Ressaltam desta posição do problema algumas exigências fundamentais, como sejam, 1)- o princípio do método; 2)- o domínio conceptual e nocional adequado à especificidade do texto; 3)- a orientação e o nível de intervenção da análise tendo em atenção as linhas de força e de significação do texto; 4)- a circularidade do movimento, da análise que caminha do todo para as partes e, inversamente, para a síntese global (que tanto pode terminar por uma leitura unificadora, como pode deixar simplesmente aberto o campo dos sentidos se for essa a lógica do método ou da proposta do texto).

   

 

Pressupostos Básicos

 

Uma disciplina em final de percurso escolar pode partir da convicção de que os alunos já se encontram de posse de quesitos fundamentais, tais como:

 – aptidão para caracterizar e distinguir os grandes paradigmas textuais, não-literários e literários e, em cada um, as diferentes tipologias e géneros;

 – domínio de noções sobre o estatuto de verdade das linguagens, verdade entendida ora no sentido de verídico, ora no de verosímil;

 – adestramento e informações culturais e literárias que permitam a entrada no jogo do texto, em obediência aos seus protocolos e às atitudes canónicas da leitura;

 – agilidade no uso de elementos operatórios (conceitos, noções, categorias, termos) para falar dos textos com uma linguagem eficiente e apropriada.

  

 

Avaliação

 

- exercícios presenciais (realizados na sala de aula);
-
resumos de textos informativos;
-
exposições orais programadas;
-
relatórios de leitura;
-
fichas de pesquisa e investigação;
-
grelhas de observação.